COMUNICAÇÕESPAINEL PRINCIPAL

 

 

 

 

 

ACESSO AOS DADOS DA FORMAÇÃO DA

FEDERAÇÃO UNIDA DOS PLANETAS :

 

 

 

A Federação Unida dos Planetas tem sua semente de criação remontando ao século XXI. Com a descoberta da Dobra Estelar por Zefran Cochrane e com o Primeiro Contato imediatamente em seguida, o planeta Terra saiu do caos que se encontrava desde a Terceira Guerra Mundial e experimenta uma forte expansão, não só no Sistema Solar, mas  em toda a Galáxia. Neste período, surgiram várias colônias longínquas, que podiam tanto ter total independência ou ser dependente do novo governo terrestre, baseado nas Novas Nações Unidas, que, na verdade já era um governo unificado. Nestas expansões e colonizações, surgiram seres que não partilhavam a mesma  visão e podiam colocar algum empecilho. Uma dessas raças que atravessaram na frente do Governo da Terra foi o Império Romulano.

Nessa época, já estava latente aos militares e cientistas terrestres que as mesmas naves que faziam a exploração espacial deveriam ser armadas para enfrentar essas ameaças. Mesmo assim, a tecnologia da época era limitada. Não existiam phasers, tele-transporte, torpedos fotônicos, escudos defletores e comunicação visual nave-a-nave. Desta forma, a Guerra Romulana (2157-2160) foi travada entre o Governo da Terra e o Império Romulano usando-se de lasers e mísseis nucleares. Apesar dessa igualdade em termos de armas, cada nação tinha um trunfo: a Terra possuía naves com capacidade de dobra superiores e o Império Romulano, naves com sistema de camuflagem. Poucos combates foram travados cara-a-cara e, os que foram, os Romulanos ganharam todos. Desta forma, apesar dos 4 anos de conflito, um terrestre não viu a face de um Romulano, ignorando o que hoje se sabe, é uma raça dissidente da raça Vulcana. A guerra terminou na Batalha de Cheron perdida pelos Romulanos, em 2160, quando foi assinado o Tratado de Algeon, que dividia a região em disputa em três áreas: a terrestre, a romulana e uma área espacial onde nem os terrestres e nem os romulanos podiam entrar sem avisar um ao outro, uma Zona Neutra. Ao fim do conflito, a Terra estava enfraquecida e prosseguiu com uma idéia que já vinha há muito tempo, mas existia forte oposição: a união da Terra e seus principais aliados numa única Federação.

Acordos de cooperação já existiam há décadas, mas a união total de vários povos é uma idéia nova por ser tratar de planetas com histórias diferentes, com espécies diferentes. Vencendo todos os problemas, os diplomatas da Terra, Andor, Alfa Centauro, Vulcano e Tellar, em 2161, em São Francisco, assinaram o tratado de criação da Federação Unida dos Planetas, com sede em São Francisco, planeta Terra. O acordo previa que a união iria ser gradual, iniciado pela integração e cooperação mútua comercial, cultural, diplomática e defensiva. Com o aumento do efeito do acordo, a Federação  foi fazendo acordos e chegou a um ponto em que outros planetas queriam fazer parte dela. Desta forma, a Federação foi crescendo até chegar aos 200 membros, que podem ser países, planetas, sistemas estelares ou impérios, sendo que o número de mundos da Federação é muito maior. Para ser membro, o pleiteante tem de cumprir uma série de exigências e ser aceito num congresso, onde os membros atuais decidirão a aceitação do candidato.

A Federação é governada por uma Constituição, que garante a todos os cidadãos, independente de cor, raça, credo, sexo, forma ou origem, direitos iguais, escritos em suas Sete Garantias. Após entrar na Federação, o planeta deve aceitar incondicionalmente os termos da Constituição, mesmo que isso vá contra uma tradição de sua cultura. Neste ponto, a Constituição garante que toda a cultura poderá manter suas tradições e leis, desde que não a fira. Uma de suas normas, que não são muitas, é que não é permitida a pena de morte no Território da Federação, salvo algumas poucas exceções.

O governo da Federação é exercido pelo Conselho da Federação e executado pelo Presidente do Conselho da Federação.  O Conselho da Federação seria o seu parlamento e possui  um representante de cada planeta-membro, com direito a um voto cada e assistido pelos  embaixadores aliados ou, até mesmo, inimigos, como o caso dos Klingons e Romulanos, estes sem direito a voto. É função do Conselho determinar as diretrizes que a Federação vai tomar, criar e extinguir suas leis, dar ao Presidente o poder de declarar guerras, ratificar acordos interestelares em geral (comerciais, políticos, militares, científicos etc), eleger o Presidente, destituí-lo caso ele não cumpra com seus deveres etc. Os membros do Conselho são escolhidos por seus governos conforme suas tradições: uns eleitos, outros nomeados, havendo ainda os vitalícios e os hereditários.

 

O Presidente do Conselho não seria propriamente um presidente da Federação. Ele é eleito pelo voto dos demais membros entre si e o cargo vago de representante é ocupado por um outro representante de sua nação. É dever do Presidente presidir as reuniões do Conselho, administrar o orçamento da Federação, cumprir as determinações do Conselho, fazer acordos interestelares, nomear o ministério, declarar guerra quando existir uma ameaça, dissolver o Conselho caso ele não esteja cumprimento com suas obrigações e comandar a Frota Estelar.

 Como é uma associação entre espécies diferentes,  a Federação é muito descentralizada, fora da alçada do Conselho. Cada governo local pode ter sua própria Constituição. O Conselho ou o Presidente só interfere se a Constituição da Federação não estiver sendo cumprida. As fronteiras da Federação são extensas e, por isso, contam com a Frota Estelar para defendê-las. A Frota também é responsável por expansão e pesquisas científicas de ponta.

Acesso ao Hino e Bandeira Oficiais da Federação Unida dos Planetas

HINO E BANDEIRA

 

 

 

VOLTAR

 

HOMEPAGE CRIADA E MANTIDA PELO WEBDESIGN:  MDANIEL LANDMAN  grupoussventure@gmail.com

Star Trek®  e todas as séries derivadas, assim como os personagens, são marcas registradas da Paramount Pictures,

 uma divisão da Viacom, com todos os direitos reservados.
Esta Homepage, bem como todo a material e publicação aqui apresentados estão livremente disponíveis ao público, e tem por finalidade apenas divulgar a série e compartilhar todo o conhecimento com as gerações futuras, sem fins lucrativos.